Categorias: Autoconhecimento, Comportamento

Mudar é cansativo!

A realidade de pandemia impeliu a realização de mudanças na rotina diária de todos. Tocar projetos atrasados, reorganizar a casa, planejar a vida pós-pandemia, ter criatividade para gerar renda extra e suprir déficits orçamentários, entre outras ações. O “ficar em casa” é muito mais do que “não fazer nada”, apesar de possuir essa conotação.

Mudar exige esforço, tanto psíquico quanto físico, pois o cérebro precisa realizar novas conexões para o aprendizado da nova prática. Sim, sair da rotina pode ser um aprendizado psiconeural. Então, é natural sentir-se cansado, em todos os níveis, por mais que a impressão seja a de que não se está “fazendo nada”. Além disso, o cérebro reconhece a mudança como um “perigo”, como um lugar desconhecido. É sair da zona de conforto. Pergunte-se: “O que é mais temível? Viver sozinho em uma praia deserta ou viver no caos da cidade?” Por mais atraente que seja a imagem da praia, se você vive na cidade, o caos lhe soa mais familiar. É um perigo já conhecido, que se pode encarar com mais naturalidade.

Você já parou para pensar nos hábitos que teve de abdicar para se reinventar nessa quarentena?

Sente falta deles?E nos novos hábitos adquiridos?Já se adaptou?Pretende levá-los para a vida pós-pandemia?

 

Carla Telles