Categorias: Ansiedade, Autoconhecimento, Comportamento, Insegurança, Psicologia Clínica

Excesso de tecnologia afeta a saúde emocional

Você já parou para pensar que visualizamos e compartilhamos muitas informações online o tempo todo?

Acordamos e vamos dormir condicionados. É uma enxurrada de informações que mal conseguimos administrar. No passado, a notícia chegava devagar. Era possível processar cada fato de forma mais equilibrada e orgânica. Pesquisas apontam que nosso cérebro não consegue organizar tantas informações ao mesmo tempo. Em outras palavras, precisa ser uma coisa de cada vez.

Hoje muitas pessoas  vivem automatizadas sem perceber como este comportamento é nocivo para a saúde emocional. A tecnologia e as redes sociais têm seu lado positivo. É claro! Não dá para negar o quanto elas vêm contribuindo, porém é preciso saber administra de forma saudável.

Nesse sentido, um fator de preocupação é que  as redes sociais estimulam a comparação constante  com os outros. Quanto mais focamos nossa atenção no  externo nos desconectamos de nós mesmos: “Ah, preciso ter ideias, metas, preciso ser assim, o outro faz assim e conquistou isso, ele é melhor do que eu, preciso ter aquilo também”. Nós nos comparamos e criamos a tendência de se sentir menos que o outro. De forma inconsciente nos deixamos influenciar. Você já escutou aquele ditado popular:  A grama do vizinho é sempre mais verde do que a nossa. Não nos percebemos  tendo o suficiente, sendo bom o bastante, sentimos sempre a falta. Ao invés de observar as nossas qualidades e os aspectos positivos de nossas conquistas na vida.

São estes parâmetros que, infelizmente, vem orientando a  nossa sociedade moderna. Contribuindo para o aumento da ansiedade, do medo e da depressão. Ao longo destes anos, muitas patologias emocionais cresceram assustadoramente. A venda de ansiolíticos dispara em todo o mundo. As pessoas não  sabem o que fazer e entram em um estado de desespero, estresse e sofrimento.

É fato que não conseguimos responder cognitivamente a este turbilhão. Contudo não precisamos saber de tudo o tempo todo. Afogamo-nos neste mar, nos culpamos e aquele mecanismo biológico que comentei em outra postagem (Ansiedade: A fisiologia das emoções) vai trabalhando dentro de nós de uma forma disfuncional.

Mas é possível ganhar mais consciência e sair do automático, através da auto-observação.

Limite o uso do celular e das redes sociais. Pesquisas em Universidades renomadas já comprovaram os efeitos nocivos do excesso. Baixe o aplicativo que permite que você monitore e obtenha relatórios sobre quanto tempo você gasta com seu celular em seus aplicativos favoritos. Além disso esse movimento vai contribuir para maior análise sobre como você tem aproveitado o seu tempo. E caso exista impactos negativos, quais os  comportamentos que precisam ser modificados.

Deixamos de viver plenamente, perdendo grandes oportunidades.

Norah González