Categorias: Ansiedade, Autoconhecimento, Insegurança

De onde vem a ansiedade?

É comum escutarmos que a ansiedade é considerada o mal do século. A cada dia, percebo a importância da compreensão da fisiologia das emoções como chave para reverter a evolução do adoecimento emocional.

Vamos lá! A ansiedade e o medo não são algo negativo. Como assim? Imagino que tenha se perguntado.

Vou explicar: Nascemos com um instinto primitivo que herdamos dos nossos ancestrais. Em nosso cérebro roda um programinha que nos coloca em estado de alerta diante de uma situação ameaçadora, que ofereça perigo e estresse. É um recurso adaptativo de proteção. Este mecanismo é chamado de luta e fuga.

Sendo assim, o medo tem uma função biológica no ser humano e nos animais. A Ansiedade e o medo andam juntos. Perceba que a emoção do medo é o que nos possibilita fazermos escolhas, embora ela seja rotulada como algo ruim. Diante desta emoção, você tem 3 opções: enfrentar, fugir ou paralisar (sem capacidade de reagir).

A  realidade é que a ansiedade é natural, instintiva e orgânica e tem o papel de nos proteger. Ela faz parte do mecanismo de sobrevivência do ser humano. A ansiedade saudável prepara nosso corpo para o que vai acontecer, aparece em momentos de decisões, escolhas e riscos. É um grande equívoco achar que podemos deixar de sentir  ansiedade.

Como nos sentimos, por exemplo, no primeiro dia de um trabalho novo, com pessoas desconhecidas e novos desafios? É normal nos sentirmos ansiosos e apreensivos por não saber o que está por vir. O primeiro encontro com aquela pessoa pela qual temos interesse também desperta uma dose de ansiedade. Se um  homem é assaltado em uma rua escura , toda vez que ele passar naquele local sentirá medo de ser assaltado de novo. Como proteção, o corpo ficará alerta. Estou na praia e o mar está agitado, com ondas fortes, sentirei medo, pois, se esta emoção não aparecer, entrarei destemido no mar e poderei morrer afogado.

O problema é quando este sentimento se torna crônico, resultando em transtornos. Nossa mente interfere muito no processo de ansiedade. Não permitindo estarmos conectados com o aqui e agora, nem com o corpo. Esse tipo de ansiedade se torna destrutivo, sobrecarregando nosso corpo com estresse e sintomas físicos.

O cérebro inconsciente não diferencia o que realmente estamos vivendo, no momento e o que estamos imaginando. Todos nós, em  algum momento da vida, já se percebeu tentando antecipar e prever uma situação específica. Se pré – ocupando de algo que nem sequer aconteceu. Porém, o corpo não sabe diferenciar. As sensações físicas se manifestam, mesmo sem estarmos em perigo real. Por  exemplo: Diante da expectativa de  uma apresentação que farei no  dia seguinte, não consigo dormir, sinto o estômago e fico ensaiando mentalmente as ações que pretendo realizar. O corpo e a mente conversam o tempo todo, quando relembramos um trauma do passado, podemos reviver no corpo as sensações.

A ansiedade está estritamente relacionada a tentativa de controlar e ter previsibilidade sobre o futuro. Não aceitando a realidade como se apresenta.

O processo terapêutico é um caminho de compreensão profunda, que nos permite aprender recursos para manejar a ansiedade. Nosso corpo tem uma sabedoria incrível e, se esta sirene da ansiedade está disparando, é preciso buscar entender qual é o gatilho que está por trás desta sensação.

Norah González